Seja o primeiro a compartilhar

O Sol está passando por uma inversão de polos magnéticos — e agora?

Daqui do planeta Terra, o Sol parece não apenas relativamente distante, como também bem mais inativo do que realmente é. Mas a verdade é que essa grandiosa estrela, apesar de estar longe das suas últimas fases de vida, diga-se de passagem, tem períodos de atividade mais intensa, e um deles está ocorrendo agora.

Nessas fases mais ativas, as erupções solares despejam uma grande energia sobre o espaço e podem até mesmo provocar alguns transtornos aqui na Terra, indo além de gerar efeitos visuais deslumbrantes, como os observados nas auroras boreal e austral.

Isso se explica pelas erupções e ejeções de massa coronal, que são capazes de interferir em nossos sistemas de telecomunicações e na rede de energia elétrica, causando interrupções em transmissões via rádio e mesmo nos sinais GPS e de internet.

Fato é que, em um período que gira em torno de 11 anos, o polo magnético do Sol se inverte, explicando o porquê de as explosões solares estarem mais recorrentes agora, quando este processo está em andamento.

(Fonte: Getty Images/Reprodução)(Fonte: Getty Images/Reprodução)

Mudança de polo magnético solar é periódica

Quem descobriu a existência desse ciclo foi o astrônomo alemão Heinrich Schwabe. Ao observar o Sol, ele notou que o que ocorria com a estrela que gira em torno do seu próprio eixo dentro de um período de 27 dias.

Em um evento que perdura por pouco mais de uma década, variando entre 8 e 14 anos de duração, posteriormente chamado de ciclo de Schwabe, o Sol intercala entre períodos de maior e menor atividade.

Neste último, as manchas solares "desaparecem" e os polos magnéticos enfraquecem, contrastando com outras fases mais agitadas em que mais de 15 manchas podem ser observadas. O movimento que ocorre, impulsionado pela região do equador da estrela, é o que provoca as mudanças no campo magnético, uma vez que ela se move mais rapidamente que as regiões dos polos.

(Fonte: Getty Images/Reprodução)(Fonte: Getty Images/Reprodução)

O que deverá ocorrer durante a inversão de campo magnético

A tendência é que, ao longo deste ano e do próximo, a atividade solar aumente, com pico entre janeiro e outubro deste ano. O campo magnético solar deverá mudar antes disso, ainda em 2024, portanto. Trata-se de um ciclo que ocorre periodicamente, tendo o último ocorrido em 2013, mas há episódios que são lembrados ainda hoje.

Em 1859 tivemos uma das fases mais explosivas do Sol, no conhecido Evento Carrington. A energia liberada pela estrela foi equivalente a 10 bilhões de bombas nucleares. Com a maior presença de raios cósmicos e ultravioleta, foram registrados danos nos sistemas de comunicações. Mas antes que surja alguma dúvida nesse sentido, não é necessário se alarmar.

Por mais estranho que o fenômeno pareça, devemos lembrar que as tempestades solares são relativamente comuns, e não há nada que confirme a eventual ocorrência de um mega apagão de internet neste ano de 2024. Além disso, diferente de antigamente, agora não somos mais pegos de surpresa por esse tipo de evento.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.