Seja o primeiro a compartilhar

Bumba meu boi: a história da festa do folclore brasileiro

O dia 30 de junho marca a celebração do Dia do Bumba meu boi, uma das festas folclóricas mais importantes do Brasil. Uma tradição típica das regiões Norte e Nordeste, a data comemorativa reúne uma série de apresentações com muita música, dança, teatro e alto astral para contar a lenda da morte e ressurreição de um boi.

Apesar de trazer mais representatividade para as culturas das regiões mais ao norte, essa manifestação cultural atualmente pode ser vista em todos os cantos do país e possuí forte ligação com diversas tradições africanas, europeias e indígenas. Atualmente, a festividade é considerada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

A origem do bumba meu boi

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Na visão de historiadores, a manifestação teve origem na cultura de países da Europa, especialmente em Portugal e na Espanha, durante o século XVI. Posteriormente, ela foi trazida para o Brasil por meio dos colonizadores portugueses e acabou se misturando à cultura dos escravos africanos e dos povos indígenas locais.

Principalmente no Nordeste, o nascimento do bumba meu boi também é associado à expansão do chamado Ciclo do Gado no século XVIII. Neste período, o gado era de extrema importância para a economia local e o boi era considerado um animal com grande simbologia para a história da região.

Os primeiros registros oficiais, que ocorreram no Maranhão, mostram que a festa era predominante entre os povos negros, o que sempre gerou repressão por uma parcela elitista da sociedade. Em 1861, a celebração chegou a ser proibida e foi paralisada por sete anos. Mesmo após a retomada, a realização dos batuques só podia ser feito mediante autorização da polícia até 1913.

Lenda do boi-bumbá

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

As celebrações de bumba meu boi, ou boi-bumbá como também é chamado, são inspiradas no "auto do boi", um conto popular passado por gerações que relata a história de um casal de escravizados que precisou ressuscitar um boi para escapar do desejo de vingança de um fazendeiro.

Segunda a lenda, Mãe Catirina e Pai Francisco viviam dentro de uma fazenda no sertão. Grávida, Catirina sentiu um desejo incessante de comer a língua do boi mais bonito do dono local. Para satisfazer o desejo de sua amada, o marido então decidiu roubar o boi preferido pelo dono da fazenda e matá-lo para que sua mulher pudesse comer sua língua.

Não demorou para que vaqueiro ficasse sabendo do roubo e avisasse ao proprietário das terras sobre o acontecido. Enfurecido pela perda de seu animal, o fazendeiro realiza um juramento de vingança e parte em perseguição ao casal. No fim do auto, Catirina e Francisco conseguem ressuscitar a criatura, que tem sua vida celebrada em uma festa criada pelo fazendeiro. 

O auto do boi, mais do que uma celebração à vida, mostra a representatividade do boi para as diferentes camadas da sociedade. Para os escravizados, o animal era visto como companheiro e sinônimo de força no trabalho rural. Para os proprietários de fazendas, os bois eram mais como um investimento seguro e uma fonte de renda. 

Personagens do bumba meu boi

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Tradicionalmente, a encenação do auto do boi durante a festa do bumba meu boi é feita com um boi produzido com armações feitas de madeira e revestida com tecidos bordados e coloridos. De baixo dessa estrutura, os movimentos do animal são controlados por um homem em posse da fantasia — especialmente da parte chamada de "miolo do boi".

Na maioria das festividades espalhadas pelo país, existem alguns personagens que são sempre fixos para o prosseguimento da história. São eles:

  • Brincantes: as pessoas que acompanham o festejo e interagem com os personagens. Ou seja, o público.
  • Boi: peça fundamental da trama, o boi-bumbá é quem conduz toda a história.
  • Casal: assim como no conto, duas pessoas interpretam a Mãe Catirina e o Pai Francisco. É bastante comum que o papel feminino seja feito por um homem em roupas de mulher.
  • Dono da fazenda: proprietário enfurecido do boi, é quem promove uma caçada ao casal que matou seu animal.
  • Vaqueiro, índios e caboclos: personagens secundários no enredo, aparecem principalmente no momento da caçada.
  • Músicos: são os personagens que promovem a ambientação da festa, com ritmos que variam dependendo da região onde a festa do bumba meu boi está ocorrendo.

Tradições da festa

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Principalmente no Maranhão, onde a festividade teve origem no Brasil, existe grande influência do catolicismo sobre a celebração. Sendo assim, São João é considerado o principal padroeiro da data. Além dele, os foliões também dividem a atenção com São Pedro e São Marçal.

Apesar da predominância cristã no simbolismo da festa, o Dia do Bumba meu boi também apresenta elementos do sincretismo ao misturar santos juninos com orixás e seres mágicos. Em algumas versões, os cultos afro-brasileiros, como o tambor de mina e terecô, são outro segmento importante.

O nome da celebração pode variar dependendo da região do país onde a festa está situada e alguns elementos da encenação também. Os diferentes estilos de grupo são chamados de sotaque, apresentando uma gama maior de ritmos musicais, instrumentos e vestimentas.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER