Seja o primeiro a compartilhar

2 bilhões de pessoas comem insetos e você também pode

Qual a primeira sensação que você tem ao pensar em comer insetos? Seu estômago embrulha e você tem vontade de vomitar? Isso pode parecer estranho e nojento, mas insetos comestíveis fazem parte da dieta humana há muito tempo. Em muitas regiões do mundo eles fazem parte das principais refeições e até são vendidos em barraquinhas na rua como um lanchinho rápido.

De acordo com a Organização das Nações Unidades para a Agricultura e Alimentação (FAO), cerca de 2 bilhões de pessoas comem insetos regularmente ao redor do planeta. Os insetos acabam indo parar na dieta por uma série de fatores. Primeiro, temos o aspecto cultural de muitos países.

a(Fonte: Shutterstock)

Mas, além disso, há pontos como o aumento do custo da proteína animal, o crescimento populacional, as mudanças climáticas, pressões ambientais e a insegurança alimentar que leva a fome em vários países.

Tendências que influenciam no aumento do consumo de insetos comestíveis

Enquanto o consumo de insetos como alimento, prática conhecida como entomofagia, é algo comum na China e em outras nações do Sudeste Asiático, outras partes do mundo começaram a se interessar por insetos comestíveis devido a algumas importantes e influentes tendências. 

Entre as principais, estão:

  • Níveis nutricionais: insetos são extremamente ricos em proteínas e calorias que fornecem mais energia à nossa dieta diária. Por isso, são considerados como o alimento do futuro. Compostos feitos com essas proteínas têm ajudado entidades e organizações a lidar com a fome e a desnutrição em vários países, como alguns da África, especialmente os que vivem em guerra civil há décadas.

(Fonte: Shutterstock)

  • Mercado: visto que os consumidores estão cada vez mais preparados para consumir insetos, a demanda por produtos em que eles são a matéria-prima continua aumentando.
  • Facilidade de compra: a venda alimentos com base em insetos comestíveis é um nicho bastante lucrativo em sites de comércio eletrônico, como a Amazon. As opções vão de barras de proteínas de grilo e biscoitos de chocolate a farinha de insetos.

Consumo de insetos no Ocidente

Por aqui, engolimos tranquilamente algumas ostras escorregadias e gosmentas, cachorros-quentes com salsichas feitas de vísceras desconhecidas e até queijos fedorentos e cheios de fungo. Mas evitamos a qualquer custo comer coisas que possam rastejar, pairar ou saltar na nossa cara.

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Parte dessa nossa aversão tem a ver com a geografia, o clima e, claro, os hábitos culturais.

Mas, gradualmente, isso tem mudado. Nos últimos anos, startups e até fazendas surgiram para criar e o promover os insetos como um super alimento rico em proteínas que agrada aos obsessivos pela saúde, a quem se preocupa em consumir coisas ecologicamente corretas e aos ambientalistas.

Os produtos dedicados à entomofagia são os mais diversos possíveis:

  • A holandesa, Lanche Jumping Jack, fabrica cereais crocantes com farinha de insetos.
  • A Big Cricket Farms, criar seus grilos com ração orgânica exclusivos para o consumo humano.
  • Já a Bitty Foods, produz farinha e biscoitos com grilos criados de forma sustentável.
  • O Exo, sediada em Nova York, vende barras de proteína e lanches salgados feitos de grilos.

E você, já experimentou algum alimento feito com insetos?

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.