Quantos buracos negros existem no universo?

Buracos negros são incrivelmente difíceis de detectar. Por enquanto, podemos ver apenas aqueles que são mais massivos, ativos ou que estão em um ponto específico que, por acaso, ajudam em sua localização. Mas quantos existem?

A ciência não para e os astrônomos continuam desenvolvendo projetos para ajudar os futuros observadores a terem melhores oportunidades de identificar e estudar com mais precisão os buracos negros.

(Imagem: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

De acordo com um estudo recente publicado no The Astrophysical Journal, pesquisadores conseguiram determinar que existem milhões de pequenos buracos negros que ainda serão detectados no universo observável. Segundo as simulações, cerca de 1% de toda a matéria do universo se encontra no interior de buracos negros.

Modelo cósmico

O objetivo do estudo citado era descobrir quantos buracos negros existem no universo e onde eles estão. Por isso, os pesquisadores tiveram que partir de várias linhas de análise para que um modelo amplo e com menos falhas pudesse ser criado. 

(Imagem: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

O passo inicial foi criar um modelo da evolução das galáxias no decorrer de bilhões de anos. Os astrônomos também levantaram dados sobre tendências de fusão de galáxias, sobre quantidades de estrelas e estatísticas específicas, como a quantidade de outros elementos, além do hélio e do hidrogênio, que poderiam influenciar no nascimento de estrelas.

Após um complexo e trabalhoso processo de construção de dados, foi possível obter um modelo que permitia saber qual a população de estrelas dentro das galáxias. E mais, quantas estrelas eram pequenas, médias ou grandes.

Com todas essas informações, o próximo passo foi rastrear o nascimento, período de vida e, principalmente, a morte dessas estrelas.

Censo estelar

Unindo todos os dados, os pesquisadores conseguiram fazer um levantamento sobre a quantidade de buracos negros no universo ao longo de bilhões de anos. 

Na astronomia, o que eles fizeram é denominado de “função de massa”. Isto é, um tipo de censo cósmico que permite obter informações sobre a quantidade e o tamanho de cada buraco negro existente em qualquer lugar no cosmos.

(Imagem: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Para se ter ideia, o estudo apontou que em cada megaparsec cúbico de espaço (1 megaparsec corresponde a 3,26 milhões de anos-luz) existem 50 milhões de massas solares iguais a buracos negros. É muito buraco negro. 

Mas se ainda está difícil entender, isso significa que entre todas as estrelas que conseguimos observar no céu durante a noite, há muitos buracos negros entre elas. Sendo que a extensa maioria deles nunca foram estudados.

Por que é importante?

Buracos negros engolem qualquer tipo de luz colocada em suas proximidades. Por isso, é muito difícil para os astrônomos saber onde eles estão. Até agora, a forma mais prática de encontrá-los  é observar com mais atenção uma região do universo que levanta suspeitas, até porque eles deixam sinais de sua “alimentação”.

Modelos de simulação, com base em dados amplos e complexos, como o descrito acima, podem ajudar a reduzir o trabalho em futuras observações, especialmente, por apontarem para qual lugar no universo se deve olhar para encontrar um buraco negro, mesmo que não exista nenhum sinal suspeito de sua existência.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.