Seja o primeiro a compartilhar

Qual a diferença entre um cérebro humano moderno e o de um neandertal?

Os neandertais tinham cérebros maiores, mas isso não significa que eram melhores. Embora o tamanho do cérebro seja fundamental, vale ressaltar que habilidades cognitivas, funções e conexões entre este órgão e o resto do corpo, e até mesmo a densidade dos neurônios, depende de muito mais aspectos que suas dimensões.

No caso dos neandertais, muitas dessas variáveis são um mistério. Afinal, o que temos (ou tínhamos) para estudar eram seus crânios e ossos, e não seus cérebros. Mas, mesmo com tais recursos, os antropólogos já conseguiram descobrir coisas surpreendentes sobre nossos parentes antigos.

Leia também: 10 partes do corpo que os humanos perderam durante a evolução

(Fonte:Shutterstock)(Fonte:Shutterstock)

Novas tecnologias, novas descobertas

Graças à evolução tecnológica na ciência de investigação antropológica e ao desenvolvimento de novos recursos de pesquisa, foi descoberto recentemente que os cérebros dos neandertais se desenvolveram de maneira um pouco diferente do que ocorreu com o dos humanos modernos.

Uma equipe de pesquisadores do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, em Leipzig, na Alemanha, fez uma descoberta importante para entender como era a mente e o cérebro dos neandertais, se concentrando nas células-tronco neurais, aquelas das quais se originam os neurônios dos neocórtex em desenvolvimento.

Fonte: Shutterstock)Fonte: Shutterstock)

O que chamamos de neocórtex consiste, basicamente, na maior extensão da camada externa do cérebro. Trata-se de algo exclusivo dos seres mamíferos e, como era de se esperar, possui um papel fundamental no desenvolvimento e manutenção de diversas habilidades cognitivas.

Conforme o estudo dos cientistas do Instituto Max Planck, as células-tronco neurais gastam mais tempo no processo de preparação de seus cromossomos para divisão nos humanos modernos do que nos neandertais.

Uma conclusão básica disso é que, no nosso caso, essa demora é positiva, pois diminui as chances de que erros sejam cometidos por ocasião da distribuição dos cromossomos para as “células filhas”.

Nos neandertais esse processo diferia, e isso poderia ter levado a consequências significativas sobre como funcionavam e se desenvolviam seus cérebros.

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Ainda segundo a pesquisa publicada no início deste mês na revista Science, entre nossos predecessores neandertais e as nossas versões modernas, a versão do gene responsável por codificar a proteína transcetolase-like-1 (TKTL1) apresenta uma pequena diferença em um par de bases.

Simplificando, nos neandertais essa mutação específica em TKTL1 contava com uma lisina. Por outro lado, nos humanos modernos, o que há é uma argina.

De acordo com os pesquisadores que realizaram os testes analisando o tecido de neocórtex humano de fetos, furões, camundongos e até de organoides projetados de cérebro humano, a conclusão mais básica é de que o comportamento do gene mutante poderia ajudar a explicar muito sobre cérebros ricos em neurônios na história da humanidade.

Aliás, sugerindo até mesmo a possibilidade da existência de humanos com uma capacidade cognitiva e intelecto superior ao dos neandertais alguns milhares de anos atrás.

ShutterstockShutterstock

A pesquisadora de evolução neural da Universidade da Califórnia, Carol Marchetto, que não fez parte das pesquisas, apontou que, embora seja tudo muito novo, interessante e o estudo seja único e bem executado, algo que chamou sua atenção é o quanto é surpreendente que uma minúscula e simples substituição de aminoácidos possa causar mudanças tão significativas em termos neurais e cognitivos, afetando praticamente todos os aspectos evolutivos, do físico ao mental de um determinado ser.

Por exemplo, devido a essa mutação, os cérebros dos neandertais poderiam ter sido adaptados para uma organização diferente, resultando em capacidades cognitivas desconhecidas.

Para se ter ideia do quanto é importante entender o cérebro, vale citar um estudo de 2013 em que os cientistas concluíram que os neandertais, provavelmente, tinha uma visão melhor. Eles chegaram a esse resultado considerando o córtex visual, tamanho das órbitas e até os buracos nos crânios. 

Uma vez que tinha córtices visuais maiores, a visão também era melhor. Para alguns estudiosos, essa adaptação olho-cérebro pode ter surgido como uma forma de lidar com latitudes mais altas, e com menos incidência de luz. 

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.