Seja o primeiro a compartilhar

Qual a diferença entre demência e Alzheimer?

Conforme a idade vai avançando, é comum que as pessoas comecem a apresentar problemas de saúde, que podem ser doenças físicas ou mentais. O comprometimento da memória e a dificuldade em manter o funcionamento cognitivo podem ser indícios de demência. 

Mas, isso não significa que, necessariamente, o idoso apresenta Alzheimer. Em 2019, no Brasil, havia mais de 29 milhões de pessoas acima dos 60 anos, de acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desses, acredita-se que quase 2 milhões tenham demências, sendo que cerca de 40 a 60% pode ser do tipo Alzheimer.

Diferença entre demência e Alzheimer

A demência é o termo utilizado para descrever o declínio na capacidade mental como resultado na diminuição do funcionamento das células cerebrais, que interferem nas atividades normais. Isso significa que a pessoa tem a capacidade de raciocínio, memorização e habilidades cognitivas afetadas, ou seja, o termo demência é utilizado quando a pessoa apresenta sintomas de uma doença que causa degeneração cognitiva. 

Assim, a demência pode ser causada por uma série de condições, como acidentes vasculares cerebrais (AVC), doença de Parkinson, problemas na tireoide ou deficiência de vitaminas. Para diagnosticar a demência, o médico procura deficiência ou alteração em duas áreas: desorientação, desorganização, linguagem, humor, personalidade e memória. Casos de irritabilidade e depressão também podem ser indícios de demência.

Uma pessoa com Alzheimer tem demência, mas nem todas as pessoas com demência têm Alzheimer. (Fonte: Freepik/Reprodução)Uma pessoa com Alzheimer tem demência, mas nem todas as pessoas com demência têm Alzheimer. (Fonte: Freepik/Reprodução)

Identificado pela primeira vez pelo Dr. Alois Alzheimer em 1906, a doença pode começar com problemas de memória e evoluir para confusões mentais, causando dificuldades em ações como engolir e andar. No Alzheimer, as células cerebrais podem ser afetadas por fragmentos de proteínas beta-amiloides e proteínas tau, conhecidas como “placas e emaranhados” que interferem na forma como as células se comunicam umas com as outras. Os médicos diagnosticam o Alzheimer quando a deficiência é gradual e continua a piorar.

O tratamento para demência e Alzheimer

A distinção pode não parecer importante, mas o tratamento para ambas as situações pode variar. Enquanto para o Alzheimer não existe cura — existem poucos medicamentos farmacêuticos para a doença e os tratamentos focam na tentativa de diminuir a progressão da doença — no caso da demência: antidepressivos, suplementação ou outros tratamentos podem mitigar os sintomas. 

Os tratamentos para a demência e Alzheimer são diferentes. Por isso, o diagnóstico correto é fundamental. (Freepik/Reprodução)Os tratamentos para a demência e Alzheimer são diferentes. Por isso, o diagnóstico correto é fundamental. (Fonte: Freepik/Reprodução)

Assim, podemos dizer que a causa mais comum de demência é a doença de Alzheimer, mas não devemos generalizar a condição de demência. Vale lembrar que algum esquecimento é esperado com a idade, mas se problemas de memória estão interferindo as atividades diárias do idoso, é melhor procurar um médico para correta avaliação.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER